Tarja Rosa

Violência doméstica: saiba como pedir ajuda

Foto: iStock

Durante o isolamento social de prevenção ao coronavírus, o Disque 100 recebeu mais de 18 mil denúncias de agressões contra crianças e adolescentes. 

A pandemia nos forçou a ficar em casa por muitos meses. E, como se não bastasse toda a ansiedade e estresse gerado por esse momento, também temos outra preocupação: a violência doméstica. Sim, muitas crianças e adolescentes acabam sofrendo agressões – que nem sempre são físicas, viu? – por membros da própria família.

O medo do desconhecido, a intensa convivência com familiares e a sobrecarga de tarefas domésticas e profissionais podem geram conflitos dentro de casa.

Estudos da ouvidoria do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos mostraram que o Disque 100 (número do Disque Direitos Humanos, serviço de proteção de crianças e adolescentes) recebeu mais de 18 mil ligações nesses últimos meses.

Ah, vale lembrar que esse cenário não é só no Brasil não, viu? Um relatório da organização não governamental World Vision estimou que até 85 milhões de crianças e adolescentes no mundo todo, entre 2 e 17 anos, poderiam se tornar vítimas de violência física, emocional e sexual durante os meses de quarentena

Se você estiver passando por isso, ou conhecer alguém que esteja, não pense duas vezes: denuncie. As denúncias podem ser feitas pela própria vítima ou por alguém que veja ou suspeite de algo.

Onde procurar ajuda?

Telefones e sites com atendimento gratuito:

Disque 100: vítimas ou testemunhas de violações de direitos de crianças e adolescentes, como violência física ou sexual, podem denunciar anonimamente pelo Disque 100.

Disque 180: em casos de violência contra mulheres e meninas, seja violência psicológica, física, sexual causada por pais, irmãos, filhos ou qualquer pessoa. O serviço é gratuito e anônimo.

Polícia 190: se presenciar algum ato de violência, acione a Polícia Militar por meio do número 190. Também é possível acionar as Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher e as de Proteção à Criança e ao Adolescente da sua cidade.