Pode transar na piscina ou no mar?

Você tem essa vontade? Ter uma relação sexual na água exige alguns cuidados – e aqui o Tarja te conta mais sobre o assunto!

Transar na piscina ou no mar é um assunto que gera muita curiosidade. E, embora a prática pareça incrível em filmes e séries, na vida real exige alguns cuidados. Entre as principais dúvidas está a necessidade do uso de preservativos e as chances de engravidar durante uma relação sexual que ocorra embaixo d’água. Se a ideia já passou pela sua cabeça, o Tarja Rosa conversou com a ginecologista e consultora, Thalita Domenich, para entender melhor o assunto!

“Transar em piscina ou no mar exige o uso de camisinha da mesma forma. O problema é que a água ‘lava’ o lubrificante dos preservativos, aumentando o atrito e tornando a penetração fica mais complicada”, explica a médica. Thalita também ressalta que, entre os perigos, existe a probabilidade de causar irritação na mucosa vaginal devido ao cloro da piscina ou por conta do sal: “Além disso, o ato pode provocar algumas dores, pois a água diminui a eficácia da lubrificação natural”.

E, mesmo estando na água, a gravidez pode acontecer, viu? A popularização do mito de que transar nestes lugares não oferece riscos a possíveis gestações se dá porque o espermatozoide não consegue passar através da água ou “nadar” até o canal vaginal. Uma vez na água, ele não sobrevive. Porém, se a ejaculação acontece dentro da vagina ou através da saída do líquido pré-ejaculatório, há sim possibilidades.

Infecções: posso pegar alguma?

“Sim! Se a relação acontecer sem o preservativo, infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) podem ser contraídas da mesma forma. E, além disso, a água é um meio de cultura para proliferação de fungos, podendo levar a outras infecções”, alerta Thalita.

Sendo assim, a regra do preservativo continue sempre a mesma – mesmo para relações na piscina, no mar, banheiras ou no chuveiro!

Acompanhe a gente ;)

Veja mais do Tarja ?

Relacionados