O que é Bartolinite? Como cuidar?

Entenda quais são as causas, como é tratamento e aprenda a prevenir

Recentemente, rolou uma thread no Twitter sobre a Bartolinite que deixou muitas garotas apavoradas. Thread é o termo utilizado para uma sequência de tuítes que contam uma história. Uma garota revelou que estava lidando com a doença e viralizou nas  redes sociais. Pronto, começaram os boatos e as informações imprecisas. Mas é por isso que você tem o Tarja Rosa, para entender exatamente tudo que rola com seu corpo.

Bartholin são duas glândulas que se localizam na vulva, na entrada da vagina, uma de cada lado. Elas têm como função produzir o fluído lubrificante da genitália feminina que serve para lubrificar a vagina, principalmente, durante o ato sexual. Em alguns casos, pode acontecer da abertura de uma ou de ambas as glândulas ficarem obstruídas, fazendo com que o líquido produzido por elas volte para o seu interior. Isso resulta em um cisto indolor, conhecido como cisto de Bartholin, que normalmente se cura sozinho.

No entanto, quando o conteúdo desse cisto é infectado por algum tipo de bactéria, esse se torna um abscesso com formação de pus, denominado Bartolinite. As principais bactérias causadoras da Bartolinite são a Clamidia trachomatis e a Neisseria gonorrhoeae, infecções sexualmente transmissíveis (ISTs).

Em uma primeira fase da doença, o escoamento da glândula é bloqueado, resultando no acúmulo de fluídos no interior da própria glândula, formando um “caroço” que logo se torna palpável. É essa obstrução que pode virar a infecção, se tornando a Bartolinite.

Os principais sintomas em sua forma aguda são a rápida eliminação de pus e sinais de inflamação (vermelhidão, calor, dor e inchaço), semelhante a um furúnculo. Em casos mais avançados, a paciente pode perceber um nódulo próximo à abertura da vagina. Também é possível ter a sensação de um “caroço”, desconforto ao caminhar, dor durante a relação sexual e febre. Quando apalpada, a glândula pode emitir uma pequena quantidade de pus.

Já em estágios mais avançados, pode haver uma forte dor na região dos grandes lábios, ao andar, se sentar, evacuar, aumento da temperatura corporal até 39°C, fraqueza, calafrios, inchaço dos grandes lábios, vermelhidão da pele e dor ao toque.

Algumas mulheres terão a Bartolinite várias vezes durante a vida. É bastante comum em pacientes imunodeprimidas (diabéticas, HIV positivas e pacientes com doenças autoimunes). Existem também mulheres que, embora não sejam imunodeprimidas, terão Bartolinite de repetição – onde a fase mais propensa a isso será o período pré-menstrual, pois é um período de alteração hormonal que leva a imunodepressão.

O diagnóstico é clínico e realizado facilmente pelo ginecologista. O tratamento da Bartolinite é realizado por drenagem do abscesso prescrição de antibióticos e medicações analgésicas. Ah, vale dizer também que a glândula de Bartholin somente é retirada quando a paciente tem um cisto de Bartholin persistente, sem infecção.

A Bartolinite pode ser prevenida através do uso de preservativo nas relações sexuais, boas práticas de higiene, evitar microtraumas locais e o uso de roupas muito apertadas.

Quem deu as informações: Thalita Domenich, médica assistente da Santa Casa de São Paulo e mestre em tocoginecologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Acompanhe a gente 😉

Veja mais do Tarja 📷

Relacionados