Tarja Rosa

Como o contraceptivo te ajuda nas oscilações de humor?

Como o contraceptivo te ajuda nas oscilações de humor?

Foto: iStock

Mulheres possuem predisposição até três vezes maior que os homens a terem transtornos relacionados à ansiedade

Como já contamos aqui, manter a saúde mental em dia é um dever de todas as pessoas, já que alguns problemas podem atingir homens e mulheres, de todas as idades. Entretanto, ser mulher inclui lidar com outras preocupações também, como a TPM, a gravidez e a menopausa, por exemplo. É pouco lembrado, no entanto, que esses aspectos tão peculiares do sexo feminino ainda permanecem, em boa parte, influenciados pelos hormônios – e são eles que tornam as mulheres mais vulneráveis aos distúrbios mentais.

“As mulheres correm o risco até duas vezes maior de terem depressão e três vezes de terem os transtornos de ansiedade. A genética explica uma suscetibilidade maior ao stress na mulher em relação ao homem“, explica Thalita Domenich, médica assistente da Santa Casa de São Paulo e mestre em tocoginecologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Dessa forma, meninas chegam com mais facilidade ao estado de exaustão que, consequentemente, leva ao início de um possível transtorno. Thalita ainda conta que, até hoje, ainda não se definiu o perfil genético da depressão, mas que se sabe, com certeza, que há genes envolvidos.

Uma parte das mulheres é geneticamente predisposta a ter sintomas psíquicos em períodos de grande oscilação hormonal, que são típicos do ciclo reprodutivo feminino: pré-menstrual, pós-parto e perimenopausa (alguns anos antes da menopausa, ou seja, da última menstruação). Nessas fases de mudanças hormonais é mais comum o aparecimento de algum transtorno.

Estudos comprovaram que o estrogênio age no sistema nervoso central, atuando no aumento do nível dos neurotransmissores do bem-estar e do prazer, como se fosse um antidepressivo. Também aumenta os neurotransmissores no hipocampo, responsável pela memória”, diz Thalita. Ou seja, o estrogênio organiza e aumenta a funcionalidade do sistema nervoso central, diminuindo a sua oscilação.

Sendo assim, como o estrogênio tem papel fundamental no sistema nervoso central, o uso de contraceptivos que o levam em sua fórmula pode ser uma medida adotada e prescrita pelo ginecologista como coadjuvante no tratamento dos transtornos de humor, sendo necessário também um acompanhamento psicológico. O importante mesmo é ter uma conversa franca com seu ginecologista de confiança para detectar a melhor indicação para você.